Projetos / Residencial / Casa FF

 

A dimensão do terreno aliada às condicionantes locais (topografia e insolação), ofertam situações importantes a serem resolvidas para que o pedido dos clientes seja realizado: uma casa com programa de necessidades que visa o conforto, luz, integração entre ambientes internos e jardins.

O lote possui declive longitudinal e transversal, situação que possibilitou definir o nível da casa alinhado ao ponto mais alto do terreno. Essa estratégia estabelece a total acessibilidade, sem desníveis internos, além de elevar a construção em relação ao entorno, oferecendo visuais desobstruídas em uma área adensada. Elevar o nível da casa ao ponto mais alto, também facilita o escoamento de águas pluviais e de esgoto, que podem ser direcionados para a rua, evitando a construção de viela sanitária.

A posição do Norte define a área de insolação da manhã na frente do lote, enquanto o sol da tarde incide na fachada posterior. Tal fato levou à decisão de encostar a construção em um dos recuos, liberando maior área interna, dispondo um vazio estratégico, um pátio jardim sombreado, voltado a Sul. Além de iluminar a casa, o pátio possibilita ventilação natural.

O programa de necessidades contempla duas suítes no térreo, o que configura a independência do pavimento. Para evitar áreas subutilizadas de corredor, foram pensados dois eixos no sentido longitudinal da casa: a norte, as áreas mais fechadas (lavabo, escada, dormitórios e lavanderia); a sul os espaços abertos e integrados ao pátio jardim (garagem, living e cozinha gourmet). A integração não se faz apenas em planta, mas também em altura com um pé-direito duplo no living, situação que traz ainda mais luz e vista do céu.

No pavimento superior existe um dormitório, voltado a Leste, janela de piso a teto, protegida por muxarabis de madeira que correm externamente. Para garantir a vista de um jardim para essa área localizada na fachada frontal, uma floreira de concreto coroa os portões de acesso à casa. Além disso, um acesso a um terraço a Oeste, com vista para o fundo do lote cercado por uma floreira, integrada ao pátio jardim no térreo.

O sistema construtivo utiliza estrategicamente quatro materiais: concreto, tijolo maciços, madeira e vidro. A estética da residência são os próprios materiais, utilizados sem revestimentos, expondo a beleza da técnica. As transparências tem o mesmo cuidado, definindo graus de translucidez condizentes a cada espaço: vidro temperado no living, cozinha e dormitórios; vidros adesivados nos banheiros; e painéis “c-glass” na escada e garagem.

A estrutura predominante se apoia a Sul em um plano longitudinal de concreto armado aparente. Pórticos de concreto com floreiras definem os portões de acesso à residência. As lajes são pré-fabricadas, ocultas por forros de gesso. Os fechamentos se dão por alvenarias de tijolos maciços offwhite.

A casa é fruto de suas necessidades, e das necessidades do lugar. A didática construtiva convida o percurso inesperado do olhar, onde luz e paisagismo constroem o significado do lar.

Ficha Técnica

Residencial
Santa Rosa de Viterbo - SP

PROJETO
2020
ETAPA
Em construção

ARQUITETURA, PAISAGISMO, INTERIORES
Fernando Gobbo e Larissa França

COLABORADORES
Caio Silva Bogar, Camila Gomes Pepi Paulucci, Larissa Pimenta Prudêncio, Lorena Finassi Simões, Natália das Neves Silva Santos, Trícia Helena Borges da Silva

ESTRUTURA
Marco Antonio Pinheiro

CONSTRUÇÃO, HIDRÁULICA, ELÉTRICA
Sprint Engenharia

ENGENHEIRO RESPONSÁVEL PELA OBRA
Jonas Rubião Gonzales (2020) / Octávio Augusto (2021)

SONDAGEM
Sondobase

ÁREA DO TERRENO
348,40 m²

ÁREA CONSTRUÍDA
294,77 m²